Iniciando Minha Loja Virtual: Por Onde Começar?

A maior dúvida que percebemos de clientes que desejam ter sua própria loja virtual é sempre: por onde começar? Dúvida natural diante de tantas incertezas, o ideal é começar planejando!

Com uma visão definida de quais os objetivos a serem alcançados tudo fica mais fácil.

O primeiro e mais frequente erro é acreditar que ao se criar uma loja virtual vai se trabalhar pouco e se ganhar muito e em pouco tempo.

É importante estar ciente de que uma loja virtual não é muito diferente de uma loja física.

Quando se planeja abrir uma loja real, você se preocupa inicialmente com detalhes de quais produtos ou serviços irá trabalhar e na sequência, qual o potencial público consumidor para aquele produto/serviço a ser oferecido.

Se você acredita que o seu produto/serviço é bom e que existam potenciais clientes, a próxima etapa é saber como alcançar este público?

No projeto de uma loja física, você tem que buscar um ponto de venda. Um local com endereço fixo onde seus clientes poderão encontrar o seu negócio.

Esse objetivo, em comparação à loja virtual, não é muito diferente! Na loja virtual você não precisa necessariamente de um endereço comercial, mas precisa de um nome no formato www.nomedasualoja.com.br por exemplo.

Escolhendo um nome e uma logomarca

Uma vez definido quais os produtos/serviços, segmento de atuação e público alvo, é importante escolher um nome de seu negócio (marca) e verificar se este domínio próprio (www.nomedasualoja.com.br) está disponível para registro.

O registro de um domínio próprio é feito numa entidade pública gerida pelo governo chamada Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, ou simplesmente NIC.br. É bom estar ciente que todos os anos você terá que pagar uma taxa para manter o direito de usar esse domínio com exclusividade.

O valor é pequeno, mas é preciso ter cuidado para não se esquecer de renová-lo a cada ano, pois a não renovação cancela o registro e disponibiliza o registro do nome para qualquer outra pessoa!

DICA: O registro de um domínio é feito online diretamente no endereço web https://registro.br . Para fazer o registro é preciso o nome completo do principal sócio da empresa, o número do CPF, endereço, telefone e um e-mail válido. Caso o registro seja feito por terceiros, exija que o registro seja feito no nome, CPF e e-mail fornecidos por você!

Se o domínio próprio estiver disponível para registro, sugerimos que o faça imediatamente! Nunca se esqueça que alguém, em qualquer outro lugar, pode estar planejando registrar o mesmo nome para seu uso próprio.

Portanto, garanta o seu domínio antes de iniciar o seu negócio!

Uma vez definido o nome e o registro do domínio, é bom começar a pensar numa logomarca. Este desenho, normalmente criado por um designer, deve ser desenvolvido em alta resolução num software de desenho, pois você vai querer usá-lo com uma boa qualidade de definição na sua loja virtual na internet e futuramente na impressão de cartões de visita, embalagens, publicidade, cartazes, banners, etc.

Definindo prazos para o início e conclusão do projeto

Definir e registrar um domínio próprio são iniciativas rápidas, mas aprovar a logomarca pode levar algum tempo, assim como o desenvolvimento do layout de sua loja virtual. Portanto, consulte os profissionais contratados e questione todos os prazos de entrega!

Escolhendo o provedor de hospedagem da loja virtual

Uma vez registrado o seu domínio, você já pode vincular o domínio a um provedor de hospedagem. O provedor de hospedagem (host) é uma empresa que “aluga” um espaço virtual para você usar livremente com o seu domínio.

Este espaço, cobrado em megabytes de uso, pode ser usado para a instalação de sites, blogs, lojas virtuais, etc. O “aluguel” deste espaço num servidor web será cobrado periodicamente, podendo ser mensal, trimestral, semestral ou anual.

Certifique-se que o seu provedor de hospedagem oferece um pacote específico para comércio eletrônico, pois alguns pacotes “mais econômicos” não são indicados para a instalação de lojas virtuais! Se puder, antes de contratar um provedor de hospedagem, consulte um profissional da área, para garantir a escolha ideal.

Se você optar por trabalhar com uma agência digital para o desenvolvimento de sua loja virtual questione sobre a escolha de um bom provedor de hospedagem. Este tipo de consultoria e experiência já faz parte da rotina dessas empresas.

Um bom provedor de hospedagem vai garantir rapidez na navegação das telas (páginas) da loja e no uso diário de softwares de cobrança, etc, sem quaisquer tipos de limitações, seja do número de produtos cadastrados ou do número de visitantes por dia.

Você também poderá usar e-mails e um serviço de webmail (programa de acesso de e-mails via internet, semelhante ao Hotmail, Yahoo e Gmail, entre outros) com o seu domínio próprio (por exemplo: contato@nomedasualoja.com.br), entre outros softwares que vão ajudar na administração diária da loja.

Se o seu projeto for tecnologicamente muito complexo, considere assinar um contrato de manutenção com a empresa desenvolvedora. Esse contrato será sua “garantia” que tudo estará funcionando perfeitamente todos os dias.

Definindo a sua agência ou desenvolvedor

A escolha de uma agência digital ou desenvolvedor para consultoria, planejamento, desenvolvimento e implantação de sua loja virtual é uma etapa muito importante. É neste momento que você está definindo quem será o seu principal fornecedor de tecnologia para garantir o seu futuro negócio.

A primeira coisa a ser levada em consideração é a experiência comprovada da agência. Visite o site da agência, veja a quanto tempo trabalha nesta área, o seu portfolio, quem são seus clientes atendidos e navegue pelos projetos já desenvolvidos por ela.

Se o trabalho desenvolvido e o atendimento da agência lhe agrada, solicite o orçamento para o seu projeto específico.

Embora muitas agências digitais realizem “o mesmo trabalho”, cada uma delas tem uma forma própria de atuar, assim como praticam preços e prazos diferentes.

DICA: Desconfie de orçamentos muito baixos! É normal um empreendedor que está iniciando um projeto buscar os melhores custos do mercado. Entretanto, preços estão vinculados a qualidade nos mais diferentes ramos de atividade. Portanto, ao consultar fornecedores, desconfie de valores muito baixos ou demasiadamente elevados.

O velho ditado “o barato sai caro” também pode ser verdade neste mercado!

Nas reuniões com agências ou desenvolvedores, é importante deixar claro detalhes do que se deseja no projeto e ouvir conselhos dos especialistas envolvidos. A experiência de mercado desses profissionais vale muito e não deve ser ignorada.

Questões como escolha do software para uso do comércio eletrônico, design e layout das telas, performance do sistema no servidor (provedor de hospedagem), segurança de dados e arquivos (muito importante!), diferentes aplicativos de cobrança eletrônica, entre outros detalhes devem ser discutidos com clareza por ambas as partes e, se possível, detalhados em uma proposta ou contrato impresso.

Prazos e pagamentos devem ser acordados antecipadamente e honrados por todos os envolvidos. Os detalhes combinados para o projeto devem ser mantidos até o final do trabalho.

Caso uma das partes sugira mudanças no projeto ou nas condições acordadas, é preciso reiniciar a discussão envolvendo os novos custos e prazos de entrega.

Lembre-se: uma vez desenvolvido e entregue o projeto, as alterações futuras solicitadas serão cobradas à parte. Portanto, planejamento é essencial nesta fase inicial do projeto 😉